Direitos Reservados

MyFreeCopyright.com Registered & Protected

29 de nov de 2012

Razões.


As razões não se limitam, são sopradas aos ouvidos como gritos de liberdade. As razões não se julgam, ela têm todos os motivos do mundo para se rebelar. As razões vivem de bico para o coração, não o suportam, ele é frágil demais e as razões são vivas demais, quentes demais, intensas demais, com tesões demais... As razões não pedem licença, entram, sentam, beija, tocam, simplesmente por prazer, sem precisar de uma concreta razão para querer, apenas pelo desejo de ser...
     As razões me arranham as costas, me suam até perder o fôlego, me enchem de mais, de coisas a mais, de razões a mais, de delírios a mais, razões demais... Você demais, a razão que me faz ficar, querer, fazer, sentir, amar, ter.
    Eu não preciso matar minhas razões os pichá-las a todos os muros brancos da minha consciência, porque elas vão continuar aqui, batendo tampa de panelas dentro de mim e batendo o punho no peito dizendo que sem elas eu não seria sua, eu não seria minha, não seria de ninguém , não pertenceria ao mundo, não teria motivos, não maltrataria o coração. Mas elas estão lambendo minha cabeça e nesse exato momento, me dizendo: Somos as razões pela qual tudo está como está. Então deixa assim, fica assim, sem motivos, sem razões. Liberta o corpo ao vento, prenda as razões, beije-as e as agradeça por Viver tentando.


22 de nov de 2012

Fragmentos do fim.



Tumblr_mdvau4skfz1rbezq3o1_500_large
   
   O mundo está para acabar, trinta dias, trinta e  um dias, sei lá quantas horas... Pouco importa. O mundo está para acabar, e na gente o que fica? O que não acaba? O que não morre? O que matamos? O que deixamos morrer? O mundo se vai, e nós para onde vamos? O amor que cabe aqui dentro do peito, que mora instalado, com suas malas, fotografias, histórias e lembranças. E o amor, que tão levinho se acostumou com o calor do corpo, dos corpos, da paixão, de tudo.
   O mundo está para acabar, nem dá tempo de fazer testamento. Então vamos semear. Jogando ao vento e dentro das pessoas descrentes de VIDA um pouco de esperança, um pouco do calor do nosso amor. Distribua antes do fim aquilo que dentro de você nunca irá acabar, aquilo que faz bem, que fortifica. Dê ao mundo um pouco da sua essência, da sua felicidade e espalhe o que você tem de melhor. Deixe o mundo acabar, abra seus braços, sorria e se lembre de tudo o que você fez valer a pena. Se o mundo tiver que acabar, que acabe, que o amor viva, que as lembranças vivam e que os fragmentos do fim, flutuem dentro de tudo o que conquistamos e vivemos. 

Produto hugerect--62039-10818-1352844104-df8ec244665d0272a8a7102d448b629a_large

11 de nov de 2012

Série: Crônicas de Amores Contemporâneos III

                                                 Conto III
                                             O Making Off dos Sentimentos
  

        Eu sou do tipo de pessoa que precisa começar a mesma coisa um milhão de vezes até ter certeza de que ela pode ficar ainda melhor. Eu sou do tipo de pessoa que inicia um texto novo, ou um projeto novo sempre que acredita que aquela é a sua melhor ideia. Eu sou do tipo de pessoa teimosa que inicialmente satisfaz o seu próprio ego para depois conseguir satisfazer o dos outros. Sou do tipo de pessoa que se importa sim com o que as pessoas pensam, mas que se importa ainda mais se esses pensamentos vão interferir na sua imagem que vai se refletir por toda a eternidade.
       Você ama? Eu amo. Você odeia? Eu te ensino a ser melhor sem o ódio. Você se apaixona? Eu intensifico uma paixão toda vez que percebo que ela está chegando. Você sofre? Eu te ensino a sobreviver. Você sente dor? Eu te ajudo a ficar mais forte. Você se acha o melhor em tudo? Então se aproxime, deixe que eu te leve por de trás das cortinas da Vida, além do que os seus sentimentos são capazes se identificar. Existe um canto oculto e quase que unanime em todas as pessoas.  Saber adestrar um sentimento é possível sim, difícil, confesso. Mas admito também que saber expressar ou não expressar um sentimento, te torna mais forte, até mesmo mais flexível, passa a imagem de segurança (sentimento raro) e faz com que você tenta total domínio sobre você mesmo e aquela imagem que quer passar para as outras pessoas. O verdadeiro sentimento é transmitido em pequenos detalhes, até mesmo denunciados pelo olhar, ou por um sorriso expressado imperceptivelmente.


3 de nov de 2012

Crônicas de Amores Contemporâneos II

                                                            Conto II
                                                           Ter um Filho

- Você está tomando seu remédio, certo? – Ele a olhou a meia luz e perguntou.
- Sim, eu não paro de tomar! – Ela respondeu.
- Não podemos ter um filho agora! – Ele disse assustado.
- Eu sei, nem temos idade ou estrutura...


      Ficaram em silêncio, não se tratava de ter um filho, todo aquele processo de gravidez, de contar para os pais, o parto, o possível “casamento” para cuidar juntos do bebê. Não era a responsabilidade, o emprego, ter que largar os estudos e nem abrir mão da juventude. Era o medo de como educar e alicercear uma nova pessoinha nesse mundo indigno e cheio de maldade. O  medo era de não saber como educar corretamente uma pessoa que chega do nada, se forma do ‘nada’ e necessita de você para tudo. Comer, se vestir, se limpar, falar, aprender, viver...
   
      Ter um filho para  era uma escolha, também um envio de Deus. Um empurrão para um desafio à beira de um penhasco, uma corda bamba sem direito à volta. Ter um filho no início daqueles vinte anos era a troca do ‘nós’ para sermos ‘todos nós’, e deixar de ser a preguiça de dormir até tarde ou ficar na cama sem fazer nada até mais tarde, para se tornarem: alguém pulando na sua cama às sete da manhã de meinhas, pedindo um ‘tetê’, cheirando a leite e dizendo – bom dia, mamãe.
      
       Para eles dois e para aquele silêncio que ficou no quarto depois do susto era mais que assustador, era o medo de ter nos braços um bebê com menos de sessenta centímetros e que a partir daí, você deixa de ter a sua vida para ser a vida dele e ele ser a sua vida. Não estavam prontos, não era pra ser. Não tinha como... Ainda precisavam muito um do outro para aprender e, quem sabe, lá na frente poder repassar tudo para o seu bebê.
     
      Ter um filho não era ter uma foto de um bebê bem arrumadinho no facebook ou colocar uma roupinha descoladinha e leva-lo ao shopping [...] Ter um filho ultrapassa qualquer expectativa e coloca dentro do peito um medo tão grande e inexplicável que se iguala a felicidade, não a de ter um filho em si, mas a felicidade de ter a capacidade de formar mais um grande homem para a sociedade e ter a certeza de que seu trabalho está feito corretamente quando ele não se entregar  aos leões da nossa selva de pedra.

1 de nov de 2012

Série: Crônicas de Amores Contemporâneos I

                                                                  Conto I 
                      Como nos filmes, Como no cinema, Como deveria ser.



   Deveria ser um filme com final feliz, mas nunca é. É como uma espécie de encontro combustivo, aonde é delirante e prazeroso o primeiro encontro, aonde há aquela química assustada entre o frio na barriga e a curiosidade pelo final do filme. Deveria ser uma promessa pequena, mas com uma profundidade alojada no peito, junto com a esperança. O filme começa, a gente se senta, não se ajeita, tem medo de falhar, qualquer palavra dita mais alto, qualquer gesto mal calculado pode arruinar a história. O gênero do filme ajuda, inspira, instiga, começa a fazer suar frio. Os braços me mexem, o corpo se ajeita, os músculos esticam, estamos abraçados. O suor aumenta, a ansiedade domina... O filme pouco importa, em que parte estamos mesmo? De que gênero é mesmo este filme? É uma comédia, a sala toda riu, menos eu, menos nós. Sozinhos no mesmo pensamento, que embora se completem, são individuais, cada um com seu questionamento, mas com a mesma finalidade: “Por que ele (a) não me beijou ainda? Será que não quer? Fui chata (o)... Não nos veremos nunca mais...” 
      
      O silêncio é um sinal, mas quem vai se atrever a dizer, a se olhar, se entregar, se devorar... Então tudo acontece, a gente não se prende ao medo do “depois”, mas se agarra na esperança do momento durar para sempre. O beijo acaba, embora longamente demorado, mas acaba; o filme vai chegando ao fim, é a dúvida, é o medo, é agora a luz sobre dois rostos tímidos, que se conheceram, que não se olharam, mas que se sentiram, se pertenceram...
      
         Não marcam um segundo encontro, deixam que tudo aconteça da forma como tem que ser, como deverá ser, um dia...Mas o filme acabou, aquela história se foi, não será nada mais que uma doce lembrança, como um filme, desses que você espera o ano todo para ir à estreia. Então a nossa despedida terá um final feliz, como nos filmes, como deveria ser...
169025792234869341_wxrh2cib_c_large

Promoção: Meu Pecado Tem 50 Tons de Cinza!

    Para comemorar o nosso relacionamento de 1 ano, nada melhor que o livro do ano para complementar nossa festa!  No dia 5 de dezembro, aniversário do blog, será realizado o sorteio do livro 50 Tons de Cinza da autora: E. L. James.

   Para participar, curta a nossa página no Facebook
 https://www.facebook.com/pages/N%C3%B3s-Alguns-Pecados/327119317299853

Clique na foto da capa do livro
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=529771807034602&set=a.327353017276483.90646.327119317299853&type=1&theater

Clique no link ao lado da foto
 https://www.facebook.com/pages/N%C3%B3s-Alguns-Pecados/327119317299853?sk=app_154246121296652&app_data=a%3A1%3A%7Bs%3A2%3A%22id%22%3Bs%3A6%3A%22112461%22%3B%7D

PARTICIPE E BOA SORTE! =)

* Conteúdo do livro direcionado a maiores de 18 anos!