Direitos Reservados

MyFreeCopyright.com Registered & Protected

12 de abr de 2015

Combustível, Combustão, Cinzas e Recomeço

Untitled

Há algumas semanas atrás me perguntaram porque eu havia parado de escrever? Eu não pensei duas vezes antes de responder: Acho que não tenho tido muita inspiração ultimamente, embora a felicidade seja uma inspiração e tanto, o maior combustível da inspiração, é a tristeza...
Ai um dia acordei sem ter o chão onde pisar, como se as colunas que sustentavam os meus sonhos tivessem sido envergadas numa fração de segundos tudo viesse a baixo, sem se importar com o que destruiria. Eu não vou agir hipocritamente e apontar culpados ou vítimas, sequer vou colocar um sorriso em mim sendo que minha alma não pede. Até as maiores fortalezas tem uma fresta, uma rachadura... E qualquer grande monumento corre o risco de cair a qualquer momento, o mesmo se aplica para os nossos sonhos, os nossos planos...
Eu decidi voltar a escrever porque é como um diário que você expõe não só porque alivia, mas uma forma de ajudar alguém, que certamente em algum lugar está passando pelo o mesmo que você e busca alguma forma de conforto e força, para recolher cada grão de poeira dos escombros para recomeçar.
Eu tinha jurado a mim mesma que não exporia a minha vida pessoal, mas não se trata somente de um sentimento ou uma opinião minha, é uma série de fatores que compunham uma história. Dizer afirmativamente hoje que estou bem ou que estou firme é muito difícil, mas estou seguindo, estou caminhando como se deve ser. Eu não vou cuspir fogo e acusar erros que também foram meus. A melhor forma de evoluir é assumir seus erros e refletir sobre eles, e acima de tudo não errar mais. Em mim hoje, se encontram fragmentos de todos os tipos de sentimentos possíveis sobre tudo, e principalmente sobre como devo ser daqui pra frente. Nenhuma mudança de página é feliz, digamos que, aceitável. A dor é como um bichinho peçonhento que fica de olhos arregalados fixados em você e que aumenta cada vez que você também fixa nela, como uma provocação, uma birra, no qual você determina se deve dar atenção ou não. De fato isso não a fará desaparecer, mas aliviará a concentração de pensamentos ao redor da dor. A gente nunca está preparada para o fim e isso é fato. Mas ele existe, tudo o que é ‘pra sempre’ tem um fim. Um fim não, um ciclo. Um se encerra para que outro possa chegar em nossas vidas. Por isso prefiro acreditar que esse momento de ‘luto’ pelo falecimento do ‘amor’ é tão válido quanto qualquer outro tipo de comemoração. Ele faz parte de mim e desse processo tão importante de crescimento.

O que me consola, hoje? Um dia, rirei de tudo isso sim, em Paris. 


love paris

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Divida conosco sua opinião, seu carinho e seu Pecado.
Deixe seu link.