Direitos Reservados

MyFreeCopyright.com Registered & Protected

15 de ago de 2012

Vende-se o Amor da Minha Vida


Poderia ser aquele carinha que estava na mesa da frente, ou aquele do meu lado no ônibus, poderia ser aquele que me olhou e sorriu. Poderia ser um amigo, um ex namorado, ou menino. Mas não eram, não estavam, não existiam. Então decidi vender o amor da minha vida, aquele mesmo que ansiava o encontro e o abraço da espera, mas que eu em fundo de subconsciente sabia que não existia.
  Porque se apaixonar e amar de verdade não era coisa para os fracos, nem para os fortes, tampouco para mim, era para aqueles de coração aberto dispostos a se atraírem, a se perderem um no outro... Não pra mim, pra quem sequer sabia aonde estava para poder se perder em outra pessoa. Resolvi num ímpeto me livrar de algo que não me pertence, mas que pode fazer alguém feliz. Olhei-me profundamente no espelho e fui tirando da minha imaginação tudo aquilo que já não poderia mais conviver dentro de mim, delicadamente foi se acumulando lembranças falsas e sonhos imprevisíveis e outros cabíveis, numa caixa abaixo dos meus pés, também a caixa com todo o meu sentimento de adeus, levei-a para fora e junto com um convidativo papel de esperança anunciei: ‘Vende-se o amor da minha vida’.  Virei as costas, não disse ‘até logo’, não me importei que o pegaria, olhei em frente; amores da vida, vão e vem o tempo todo, em constante mudança, cada um a seu jeito e para cada situação. Amores e amores para quem quer amar e para quem acredita que o amor não existe. Eu vendi o meu, ou pelo menos o que eu acreditava encontrar, fiquei numa calmaria só minha, a espera de qualquer pequeno sinal de surpresa que o destino poderia me dar. Fiquei só comigo e com o valor adquirido. O amor da minha vida foi vendido e em troca eu tinha ganhado um caminho lindo e cheio de incertezas...
553711_344181302330861_1853252476_n_large

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Divida conosco sua opinião, seu carinho e seu Pecado.
Deixe seu link.